Menu

Leitores Escrevem - Silêncio Absolut

23 de agosto de 2013
Olá meninas! Hoje é dia de Leitores Escrevem. E se vocês não sabem como participar, é só clicar nesse post, que explica tudo certinho. 

Hoje o texto é da Letícia Souza, 16. Do blog Lua de Vintage.




Pausa, silêncio.
Como é difícil falar tudo o que sente! É difícil mesmo! E ele gosta da minha bochecha direita...
Como eu sei disso? Ah eu sei disso! É o que importa, não é mesmo?
Coração aflito, já são quase 9:45am! - Faltam 5. Não, agora faltam 4. TRÊS! Doizinho, doizinho!Puts, lá vou eu! -NÃO, DAQUI EU NÃO SAIO NÃO!-
e dês de então minha ida ao recreio é quase praticamente retardando saída do professor á sala, ah, mais também tem outra opção! A de sair atropelando todos pelas escadas.
Quem te viu quem te vê heim Letícia! Toda afobadinha por um garoto que nem pensa em você. Se você diz!
Tive que falar com ele, na marra, na impulsão!
Onde será que está ele?" - Ah, está lá, tenho que ir mesmo Natália? -Vai logo guria. - Ok, guria mais do mandona!"
Fui em direção a ele, algo a mais me movia, minhas pernas começaram a ir, e eu parava, olhava pra traz e as meninas: "Vai, anda, não deixa ele esperando".
Eu começava a andar novamente, como se tivesse uma arma apontada na minha cabeça.
Um suspiro, mais uma olhada pra traz, onde estão elas? Mãos ocupadas estralando os dedos, e lá estava ele, tão lindo, tranquilo, com aparência falante.
Cheguei perto, os amigos dele estavam atrás de mim, vieram correndo chamando o seu nome, e eu, toda tensa, parei na sua frente, apertei as mãos e mordi os lábios. Ah, o Beckman está vindo na minha direção, pensei pro inconsciente baixinho: "Ai que alívio, alguém conhecido, me salva, me leva junto!". E a única coisa que aquele julgado me disse foi: "Boa sorte"- Oh sorte em uma hora dessas? Eu preciso é de um milagre!!!- Quem me dera, mais o milagre era ele.
Então o garoto dos olhos despercebidos me beijou na bochecha direita e disse: -Oi. Vamos conversar lá, pode ser? -Claro!
E então sentamos, alguns segundo eu respirei e pedi desculpas. Cara, derreti com o jeito de falar dele! É como se recitasse poesia, prosa, verso, qualquer coisa!
Fiquei meio que iludida, e sabia que estava, mas fiz pouco caso. No final deu tudo certo. Ele foi jogar vôlei Não matou ninguém!- E eu estava perambulando pela escola atrás das felizardas...
Eu estava com alma leve. Eu respirava e me sentia bem, mesmo tendo só 4 horas de sono naquela noite. Mesmo com tudo acontecendo, o linguajar dele me acalmou. Eu poderia ficar horas e horas o ouvindo falar, mesmo se o assunto não me interessar, ah, mais iria me interessar, mesmo não me interessando.
Não sei muito bem o que sinto, pode ser ventania passageira ou uma brisa de boa vontade, mas confesso que gosto dele por inteiro e isso dá um errado medo de amar esse jeito! Por enfim, até meu por-do-sol dormir, eu estava com a alma silêncio absolut... Uma alma vintage.



Gostaram? Beijoss!

4 comentários

  1. aim Lú que texto fofo , é de uma realidade de deixar o leitor abalado [como fiquei no início kk]
    afinal , acho que muita menina já passou por isso né? eu gostei muito do seu blog , é bem organizadinho e cute ^.^ seguindo tbm

    besteirinhasdedamasco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu amei o texto, lembrei da época de escola, eu era igualzinha a personagem, quando eu ia encontrar meu paquerinha no recreio, quase morria, de tanto nervosismo, mas quando ele falava, nossa estava no paraíso! Uma pena meus relacionamentos de escola nunca deram certo... :(
    Mas amei o texto que a Letícia escreveu. *--*
    Estou seguindo seu blog, se puder me siga de volta também, ficarei muito feliz de te ter como minha seguidora. :)
    Beijos. ♥
    http://leidynhababy.blogspot.com/

    ResponderExcluir

  3. Olá, gatona. Td bem? Passando desejar um ótimoo final de semana.

    Beijokas!!!

    http://www.lucyemascarenhas.com/

    ResponderExcluir

 
Desenvolvido por Michelly Melo.